TSI TELECOM

gallery/attachments-Image-Logo-TSI_3
gallery/attachments-Image-image-laptop

Por que certificar minha rede?

Se você tem uma rede de telecomunicações em sua empresa, você já deve ter se perguntado, pelo menos uma vez, por que certificar essa rede, e abaixo, você vai entender que isso é importante, tanto para confiabilidade de sua rede, bem como para conseguir maior período de garantia do fabricante.

No Brasil, as principais empresas de produtos para redes oferecem 5 anos de garantia. Essa garantia pode ser estendida para 10 ou 15 anos de o trabalho for executado por uma empresa certificada. Se 15 anos de garantia parece ser muito tempo, imagine então 25 anos. É isso mesmo, dependendo da importância da obra, o fabricante do cabo, em conjunto com a empresa instaladora, pode oferecer até 25 anos de garantia nos produtos (empresa fabricante). Mas para que essa garantia super estendida possa ser oferecida, é

imprescindível que toda a estrutura do cabeamento seja testada e certificada com equipamento adequado.

Nesse caso a certificação pode garantir um período adicional de garantia da ordem de quatro vezes a garantia original. Com isso todas as partes saem ganhando. O cliente porque recebeu uma garantia bem maior, o instalador conquistou a gratidão do cliente e o respeito do fabricante dos cabos e este último ganhou a certeza de que a obra foi muito bem executada e que nenhum problema técnico foi encontrado Testes e certificações Até que uma estrutura de rede esteja totalmente certificada muitos testes deverão ser feitos e para tal podemos utilizar três tipos de equipamentos: Um simples testador de cabos (Lan teste), um microscanner e um certificador, mais comumente conhecido por Scanner.

Tipos de testes Podem dividir a bateria de testes de uma rede em dois tipos básicos, os testes passivos, que são executados sem que a rede esteja em real funcionamento, e os testes ativos, que deverão ser executados com a rede em condições reais de funcionamento, ou seja, com a rede operando normalmente mesmo. Os testes ativos são mais comumente utilizados, quando se precisa investigar e diagnosticar o que esta havendo de errado numa rede. Felizmente tal tipo de teste não é muito freqüente, o que significa que a tecnologia de redes esta cada vez melhor, assim como nossos profissionais de instalação de cabos e redes. Já os testes passivos são muito difundidos e utilizados. Isso é muito bom, pois estes testes que homologarão uma estrutura de cabeamento instalada. Os testes passivos podem ser divididos em estáticos e dinâmicos. Os estáticos são realizados em laboratórios, fábricas ou institutos de pesquisas e não pode haver reprovação alguma, caso contrário o cabo em teste não atenderá às normas e com isso seu projeto técnico ou de fabricação não serão aprovados. Já os testes dinâmicos são mais complexos, são eles:

1 – Wiremap (Mapa de Fios);

2 – Lenght (Comprimento do cabo lançado);

3 – Attenuation ou Insertion Loss (Atenuação);

4 – NEXT Loss (Near end Crosstalk);

5 – PS-NEXT Loss (Power Sum NEXT);

6 – FEXT (Far End Crosstalk);

7 – ELFEXT Loss (Equal Level Far End Crosstalk);

8 – PS-ELFEXT Loss (Power Sum Equal Level Far End Crosstalk);

9 – Return Loss (Perda de retorno);

10 – Propagation Delay (Atraso de propagação);

11 – Delay Skew ou Propagation Delay Skew ( Desvio de propagação);

12 – ACR (Atenuation to Crosstalk Ratio);

13 – PS-ACR (Power Sum Attenuation to Crosstalk Ratio);

14 – Alien Crosstalk (Linha Cruzada adjacente);

15 – Insertion Loss Deviation;

16 – DC Loop Resistance.